Perspectivas económicas para África segundo Akinwumi Adesina

Votos do utilizador: 3 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A mensagem e conclusão transmitida nesta última desclarações a agência Bloomberg é que as "economias africanas vão acelerar em 2017 e o pior da crise já passou".

Quem afirma é o presidente do Banco Africano para o Desenvolvimento (BAD), Akinwumi Adesina, o qual considera que a narrativa 'África em Ascensão' mantém-se válida apesar do abrandamento económico e defende que o pior da crise económica já ficou para trás. 

BAD.CEO

Numa entrevista concedida à agência de informação financeira Bloomberg, Adesina antecipou que as economias africanas devem acelerar o crescimento no próximo ano, alicerçadas nos investimentos em infraestruturas e nas tentativas de diversificação económica.

"Temos uma situação de ventos económicos contrários", disse, acrescentando que, "no entanto, as economias africanas são resilientes", e por isso diz que o pior já ficou para trás e antecipa para este ano um crescimento económico no continente à volta de 3,5%, acelerando para 3,7% no próximo ano e para 4,2% em 2018.

"Temos 19 países a crescer entre 3% e 5% e 21 países a crescer acima de 5%; Africa não está a cair aos bocados; a narrativa 'África em Ascensão' não está acabada", assegurou o responsável do banco.

O continente africano cresceu 3,6% no ano passado, o ritmo mais lento desde 2011, segundo esta instituição responsável por financiar projetos que desenvolvam economicamente o continente, afetado pela descida do preço das matérias-primas desde meados de 2014 e pela consequente desvalorização das suas moedas.

African Development Bank President Akinwumi Adesina1

A Nigéria, a maior economia africana, deverá enfrentar uma recessão este ano, enquanto a África do Sul deve registar apenas um ligeiro crescimento, o mesmo acontecendo com Angola, a terceira maior economia do continente e o maior produtor de petróleo da região.

Países como a Etiópia, o Quénia e a Costa do Marfim, todos com crescimentos acima de 5%, podem dar ensinamentos aos restantes, defendeu o responsável.

"Em todos estes países, a estabilidade política desempenhou um papel crucial", disse Adesina, pormenorizando que "a maioria tem quantidades significativas de investimento direto estrangeiro e uma estabilidade macroeconómica muito forte".

Para além disso, concluiu, "também deram incentivos muito significativos ao setor privado para investir fortemente em infraestruturas, e estas são coisas que os outros países podem fazer.

Fonte: Lusa via Sapo notícias.

Créditos de imagem/foto: Bloomberg

 

Contatos

HEAD OFFICE

Avenida da República, n.º 6, 7.º Esquerdo, 1050-191 LISBOA | Portugal

Tel + 351 211 332 968 | Fax +351 213 195 609

Redes Sociais

follow me on facebookgoogle logo  

follow me on twitter linkedin

Parceiros

APQlogo apemeta