Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O ano de 2017 entre outros factos e acontecimentos ficou marcado por tragédias que resultaram de incêndios florestais um pouco por todo o pais, não sendo nada de novo, foram atingidos níveis de calamidade nunca antes alcançados o que resultou em medidas e obrigações que implicam particulares, privados e entidades públicas.

Mais importante do que ser obrigatório e haver implicações que podem resultar em pesadas coimas, julgamos que o interesse em causa é mais importante, e por isso o presente artigo, até porque temos clientes e seguidores espanhados por todo o território nacional, estando sensibilizados para um assunto, não tivessemos nós colegas especializados em SCIE - Segurança Contra incêndios em Edifícios que muito já tem feito de forma proactiva em projectos de clientes neste sentido.

Antes que seja tarde demais e antes que um incêndio florestal atinja a si ou um de nós, a recomendação é que assegure a limpeza do mato em volta da sua residência 50 metros à volta da mesma, e 100 metros nos terrenos à volta da aldeia.

limpeza de terrenos

 Até 15 de março é obrigatório e mais importante vitar e determinante para não se repetir as mesmas tragédias.

Portanto, efectivamente é obrigatório:

  • Limpar o mato e cortar árvores:
  • 50 Metros à volta das casas, armazéns, oficinas, fábricas ou estaleiros;
  • 100 Metros nos terrenos à volta das aldeias, parques de campismo, parques industriais, plataformas de logística e aterros sanitários;
    • Limpar as copas das árvores 4 metros acima do solo e mantê-las afastadas pelo menos 4 metros umas das outras;
    • Cortar todas as árvores e arbustos a menos de 5 metros das casas e impedir que os ramos cresçam sobre o telhado;

Importa destacar que se não o fizer até 15 de março, pode ser sujeito a processo de contraordenação, podendo este resultar em coimas que podem variar entre 140 a 5 mil euros, no caso de pessoa singular, e de 1500 a 60 mil euros, no caso de pessoas coletivas.

Contudo, este ano as coimas enunciadas são a dobrar.

Portanto até 31 de maio, as Câmaras Municipais podem substituir-se aos proprietários na limpeza do mato, pelo que, os proprietários são obrigados a permitir o acesso aos seus terrenos e a ressarcir a Câmara do valor gasto na limpeza.

É Importante também:

  • Manter-se sempre informado do risco de incêndio na sua área de residência
  • Verifique se o sistema de rega e mangueiras funcionam
  • Limpe telhados e coloque rede de retenção de fagulhas na chaminé
  • Mantenha afastados da casa e edificações:
  • Sobrantes da exploração agrícola ou florestal
  • Pilhas de lenha
  • Botijas de gás ou outras substâncias explosivas

É vital para todos que tome boa nota, partilhe e se tiver dúvidas coloque as mesmas, porque a vida da sua família e a segurança dos seus bens dependem do seu gesto.

Para mais informações ligue 808 200 520

Portugal sem fogos está nas mãos de todos.

Este artigo não dispensa a consulta do DL n.º 124/2006, de 28 de Junho, na sua redação atual.

 

Para que não haja dúvidas a limpeza dos terrenos junto a habitações é de facto obrigatória!

Em suma, segundo o estipulado no n.º 2 do artigo 15.º da Lei n.76/2017, de 17 de agosto, os proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que, a qualquer título, detenham terrenos confinantes a edifícios inseridos em espaços ruraissão obrigados a proceder à gestão de combustível, de acordo com as normas constantes no anexo do presente decreto-lei e que dele faz parte integrante, numa faixa com as seguintes dimensões:

a) Largura não inferior a 50 m, medida a partir da alvenaria exterior do edifício, sempre que esta faixa abranja terrenos ocupados com floresta, matos ou pastagens naturais;

b) Largura definida no PMDFCI, com o mínimo de 10 m e o máximo de 50 m, medida a partir da alvenaria exterior do edifício, quando a faixa abranja exclusivamente terrenos ocupados com outras ocupações.

contraincendio

 Fonte: INCF

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Em Portugal, os apoios ao investimento resultam de um programa designado por Portugal 2020, traduzindo-se em instrumentos financeiros úteis e com condições excecionais que podem proporciona condições únicas de financiamento, e com vista à melhoria da competitividade das empresas e à sua internacionalização no mercado global.

As novidades na actualidade é informar todos os interessados que se encontram abertos (6) seis avisos para apresentação de candidaturas, a saber;

SI Inovação Produtiva (Aviso 08/SI/2018 e 13/SI/2018)

Até 16 de março de 2018 para o PO Regional do Alentejo, cujo os beneficiários podem ser PME e grandes empresas.

Até 05 de março de 2018 para o PO Regional de Lisboa, também neste caso destina-se a PME e grandes empresas, sendo que, este aviso enquadra-se no programa indústria 4.0 e interface no âmbito do programa nacional de reformas.

SI Empreendedorismo Qualificado e Criativo (Aviso 09/SI/2018 e 11/SI/2018)

Até 16 de março de 2018 para o PO Regional do Alentejo;

Até 05 de março de 2018 para o PO Regional de Lisboa.

SI Internacionalização PME (10/SI/2018)

Até 12 de Março de 2018 para o PO Regional de Lisboa.

SI Qualificação PME (12/SI/2018)

Até 12 de Março de 2018 para o PO Regional de Lisboa.

Estes seis avisos que aqui vimos divulgar são algumas das oportunidades que podem ser aproveitadas, em todo o caso não significa que surjam outros ao longo do corrente ano.

Em qualquer caso a nossa abordagem, passa por primeiro recorrer a uma metodologia de gestão de projecto, que por norma decorre desde o estudo inicial, passando por candidatura e execução do projecto de investimento.

Integrado numa óptica de project management (Gestão de projecto) é desenhado um fluxo de actividades à medida do cliente e dimensão do projecto.

Em primeiro lugar o foco e prioridade é determinar junto do cliente o quadro de investimento de acordo com as despesas elegíveis, face as necessidades para eficaz implementação do projecto de investimento.

Segue-se o estudo económico e o respectivo plano de negócios, para por fim concluir a respectiva submissão da candidatura.

Com a aprovação da candidatura, asseguramos suporte técnico desde a contratualização até à respectiva execução do projecto, fase que na nossa experiência tornou-se nos dias de hoje cada vez tanto ou mais importante do que uma candidatura devidamente sustentada e estruturada.

Apontamos.caminho.solucao

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

No passado dia 15 de janeiro de 2018 publicámos artigo (pode ver ou rever aqui) relacionado com o Decreto-Lei n.º 97/2017 de 10 de agosto, que entrou em vigor a 1 de janeiro, e este revogou, à partida, de grosso modo e principalmente, o Decreto-Lei n.º 521/99, de 10 de dezembro (análise de projetos); o Decreto-Lei n.º 263/89, de 17 de agosto (estatuto das entidades instaladoras); o anexo I e II da Portaria n.º 362/2000, de 20 de junho (Procedimentos Relativos às Inspeções e Estatuto das Entidades Inspetoras).

Aqui chegados no artigo passado abordámos o impacto em relação à certificação que existia obrigatória em Portugal nos projectos de redes eléctricas.

Mas outras implicações recai no caso dos projetos de instalações de gás, neste caso é a da formalidade de aprovação do projeto, que é “eliminada”, no entanto, o n.º 4 do Artigo 5.º prevê a continuidade deste serviço prestado pelas Entidades Inspetoras de Gás.

267142907813925 a 3282f471 ksXMVA pm

Por exemplo um dos casos de entidades que prosseguem a actividade é o ITG – Instituto Tecnológico de Gás, continuando assim a analisar os projetos das instalações de gás.

Em Portugal continua a ser obrigatória a execução de instalação de gás e, por consequência, a execução de projeto para todas as obras com controlo prévio nos termos do regime jurídico da urbanização e edificação, no entanto, agora, será mais fácil optar por não se realizar a instalação de gás, conforme disposto no Artigo 3.º.

Algumas alterações técnicas mais relevantes enunciar

Existem em todo o caso ao nível técnico alterações, desde o termo de responsabilidade, memória descritiva e justificativa, em articulação com requisitos das normas da série NP 1037 sobre a ventilação dos edifícios com aparelhos a gás.

Entre outros condicionalismos das Normas da série NP 1037, há quer ter em conta que:

NP 1037-3-1-2012

- O aparelho do tipo B11 (Documento Normativo Português DNP CEN/TR 1749:2015), concebido para ser ligado a uma conduta de evacuação dos produtos da combustão para o exterior do local onde ele está instalado equipado com cúpula de evacuação que funciona em tiragem natural, em que o ar de combustão é captado diretamente no local, quando instalados em local com ventilação natural, devem cumprir os requisitos como indicado na Norma NP 1037-1. Este tipo de aparelho não deve ser instalado em locais onde existam exaustores com ventiladores mecânicos.

Os demais aparelhos do Tipo B conforme definidos no DNP CEN/TR 1749:2015, bem como os aparelhos do tipo C, poderão coexistir no mesmo espaço com exaustores com ventiladores mecânicos.

Os aparelhos do tipo B11 apenas poderão ser instalados em locais onde existam exaustores com ventiladores mecânicos nas condições definidas no artigo 10.º.

OSVMWV0 min

A importância da marca CE

Os aparelhos e os componentes da instalação utilizados devem ostentar a marcação «CE», sendo que os aparelhos devem também estar acompanhados pela respetiva declaração de conformidade emitida pelo fabricante, não obstante, a montagem dos aparelhos deverá cumprir a legislação específica dos aparelhos a gás e as instruções do fabricante.

A análise de projectos a partir de agora

No caso da rede de gás que não abordámos de forma substancial no artigo anterior verifica-se que atualmente, os projetos podem ser entregues em suporte digital num único ficheiro de extensão PDF, sem necessidade de enviar em papel. Se pretender enviar em suporte digital, deverá enviar o projeto completo num único ficheiro de extensão PDF (memória descritiva, desenhos em planta, em perspetiva e de pormenor, folha de cálculo, planta de localização, termo de responsabilidade e cópia da licença de projetista ou, declaração da ordem profissional que reconheça a competência ao projetista para elaborar e subscrever projetos de instalações e redes de gás)acrescentando, se possível, a assinatura digital do engenheiro projetista.

A posição da Statusknowledge

Ao contrário do caso da rede eléctrica o projecto de rede de gás tem agora a opção de o requerente certificar ou não o projecto.

Em todo o caso, mantemos a posição de continuar a certificar os projectos, mesmo que o diploma já enunciado prescindir dessa obrigatoriedade, pelo que, temos mantido a mesma prática porque estamos convictos que justifica-se face o factor de risco inerente à especialidade de engenharia em concreto, até por funcionar como uma dupla verificação.

Fonte: ITG

Artigo anterior: https://goo.gl/fszdFB

Estamos.prontos.para.seu.projecto

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Porque pode um cliente decidir pela proposta da Statusknowledge ou então porque somos Statusknowledge? São duas questões colocadas desde janeiro de 2014.

A 24 de Janeiro de 2014 foi fundada a empresa que resulta na Statusknowledge assente numa ideia e modelo de negócio que baseia-se no propósito de ser parte da solução no dia-a-dia dos clientes, seja na implementação ou manutenção de um sistema de gestão da qualidade, ou da segurança alimentar, seja na gestão de projectos de licenciamento, na consultadoria industrial com vista o licenciamento industrial ou licenciamento ambiental, ou em projectos de marketing, entre outros serviços e soluções assente numa plataforma de especialistas, sempre com a missão de acrescentar valor, independentemente do sector de actividade, dimensão, local ou país onde estiver o cliente e o desafio, que por vezes os clientes “apelidam” de problema e por isso gostamos de assumir ser parte da solução.

No jovem percurso percorrido pela equipa da Statusknowledge, já nos permite concluir que superámos a expectativa inicial, na medida que reuniu-se experientes profissionais à volta de uma oferta de serviços ampla, atingido com orgulho metas e objectivos alcançados pelos nossos clientes, em território nacional (incluindo ilhas) como fora de Portugal.

Foto 113 min

Qualquer um dos serviços que prestamos aos clientes assenta na maioria dos casos numa ideia de projecto, onde a metodologia é comum, sendo o foco principal o resultado pretendido pelo cliente.

Existem outros serviços que são complementares e que surgem quase a pedido dos clientes como sucedâneos dos serviços principais, aliás surgiram como resposta a exigência de os clientes procurarem que tivéssemos resposta para o efeito, tais como;

Auditorias internas

Auditorias de conformidade legal

Auditorias de segurança informática

Medidas de autoprotecção

Fiscalização e coordenação de segurança de obras

Etc.

Aqui chegados, podemos concluir que registamos com orgulho a aprendizagem, a experiência obtida, quer nos bons e nos maus momentos vividos junto dos nossos clientes, nem sempre foi, é e será “um mar de rosas” como diz a expressão popular, mas mesmo quando as coisas não correm de feição, procuramos manter a atitude e disponibilidade focados no resultado final, sem nunca esquecer o compromisso inicial com o cliente, porque não somos apenas um fornecedor de serviços, somos um parceiro de negócio, com a característica que antes de sermos profissionais somos pessoas e temos uma condição que é nunca desistir ou desesperar perante as adversidades, sejam elas alheias ou não aos recursos envolvidos.

A integração de projectos é uma realidade regular na relação que temos com os nossos clientes e muito frequente verificar-se no mesmo cliente a integração de serviços e projectos, com resultados muito apreciados e interessante impacto no dia-a-dia do cliente.

Tudo pode começar com uma auditoria, depois um projecto de arquitectura ou de consultadoria industrial, o licenciamento industrial em concreto, e em seguida uma intervenção de marketing, porque como consultores no cliente, num projecto intenso como é o licenciamento ou o estudo de umas novas instalações implica conhecer e muito do que o cliente é e faz, do produto que se vai fabricar, logo pode ser aproveitado com muito bons resultados esse know-how numa solução de packaging design por exemplo. Se estamos a implementar um sistema de gestão de segurança alimentar e depois vamos trabalhar a embalagem do cliente, logo não podemos perder a oportunidade de juntar o útil ao agradável, comunicar melhor, informar mais e melhor também, face um consumidor cada vez mais exigente, funcionando como factor diferenciador.

Foto 100 min

Em termos de marketing não temos qualquer ambição em ser uma agência de comunicação, procuramos ser parte da solução em suprimir lacunas que o cliente tem, utilizando orçamentos acessíveis e focados em resultados, seja no branding de uma marca, numa embalagem com design adequado, num website institucional nas redes sociais ou numa loja online, mas que faça o cliente dizer “Olá mundo digital”. No limite procuramos facultar ferramentas ao cliente, de preferência a partir de um plano de marketing e comunicação e depois proporcionar autonomia e conhecimento.

Em termos de sistemas de gestão de qualidade ou de segurança alimentar, procuramos partilhar com o cliente metodologia e princípios assente nos resultados e na simplicidade de processos e procedimentos, ou seja, para cumprir as normas e a lei não significa tornar as organizações dos clientes mais pesadas, mais burocráticas.

Em termos de arquitectura e engenharia integramos com consultadoria um serviço, este sim integrado, mas com o foco no objectivo do cliente, de forma a articular com administração pública central e local de forma mais assertiva. Em cada projecto dos nossos clientes adoptamos uma preocupação assente em “pilares”, em primeiro lugar os regimes jurídicos obrigatórios (v.g. RJUE, SIR, etc), os objectivos e vontade do cliente e por fim, a funcionalidade. A maior parte do sucesso na experiência nestes casos, quer com particulares ou empresas nacionais e internacionais foi maioritariamente aproveitando a longa experiência dos nossos profissionais em licenciamento industrial em Portugal e outros locais do mundo, e, portanto, acumularam-se os projectos industriais, mas também pequenos projectos no retalho e comércio, escritórios, armazéns de comércio por grosso, restauração, hotelaria, estabelecimentos sociais (v.g. Lar de idosos, IPSS, etc) e habitação.

Foto 99 min

Salientamos que na consultadoria industrial e gestão de projectos, é o departamento que mais integração de projectos e de recursos realiza, até por inerência é o tipo de serviço e objectivo para o qual o cliente contrata um único fornecedor, o estudo prévio, o projecto de arquitectura, as especialidades de engenharia, o licenciamento ambiental, o licenciamento industrial, entre outros serviços complementares, tais como a fiscalização e coordenação de segurança das obras, medidas de autoprotecção.

Em suma, a statusknowledge resulta de uma equação que soma duas palavras, Status que é = a pessoas e Knowledge (conhecimento) que se traduz nas qualificações e experiência multidisciplinar que dispomos assentes numa proposta de valor, disponibilidade e foco no resultado final a favor do cliente, porque o projecto do cliente é o nosso projecto, o problema que faz o cliente vir até nós é o nosso desafio diário.

Somos assim, parte da solução.

Statusknowledge consulting & services

Your business solutions…

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

SIM! Efectivamente podemos concluir que a partir de janeiro de 2018 acabou a actividade da CERTIEL, que em Portugal era uma entidade envolvida na certificação e aprovação de projectos eléctricos e que, com entrada em vigor do Decreto-lei n.º 96/2017 perdeu a “razão” de existir.

No Departamento de consultadoria industrial e gestão de projectos da Statusknowledge temos hábito de no âmbito dos projectos que elaboramos e nos processos de licenciamento relacionar-nos com todas as entidades e a CERTIEL era uma delas.

Screenshot 2018 01 28 18.53.16

Sabíamos que a CERTIEL foi reconhecida pelo Estado Português como ANIIE – Associação Nacional Inspetora de Instalações Elétricas estando em atividade desde 1 de fevereiro de 1999, reconhecimento esse que implicava um conjunto de competências que lhes foram então, atribuídas, nomeadamente a certificação de projectos eléctricos.

Com a entrada em vigor do Decreto-lei n.º 96/2017 no passado dia 1, muitas são as mudanças, nem todas efectivadas, mas o primeiro impacto é o fim da CERTIEL e o que partilhamos neste artigo.

Podemos assim neste artigo partilhar as alterações resultado de novas regras para as instalações elétricas e de gás em edifícios.

Os novos regimes das instalações elétricas particulares e das instalações de gases combustíveis em edifícios entram em vigor, na generalidade, no dia 1 de janeiro de 2018.

O Decreto-Lei n.º 96/2017, de 10 de agosto, define novas regras para as instalações elétricas de serviço particular, alimentadas pela rede elétrica de serviço público (RESP), temporárias ou móveis, de segurança ou socorro, que produzem a sua própria energia, cria novos procedimentos para a atividade dos instaladores e inspetores e estipula como devem ser feitos o controlo, a supervisão e a regulação das atividades associadas a essas instalações.

Provavelmente voltaremos a abordar esta temática, até porque em suma, ainda existem algumas dúvidas, até para as entidades que ficam com competências para o efeito.

193885 OXYONK 929 min

Podemos, entretanto, informar que no que se refere às instalações elétricas particulares, estas são classificadas em três tipos, a saber;

Tipo A (temporárias ou móveis, de segurança ou socorro, que produzem a sua própria energia e não fazem parte de centros produtores de energia).

Tipo B (alimentadas pela rede elétrica de serviço público em média, alta ou muito alta tensão).

Tipo C (alimentadas pela rede elétrica de serviço público em baixa tensão) – cada um deles sujeito ao cumprimento de requisitos diferentes para que as respetivas instalações possam ser ligadas à rede pública ou começar a ser exploradas.

Acaba a aprovação e determinadas taxas!

Uma outra conclusão e resultado destas novas regras e alterações legislativas para além do “desaparecimento” da CERTIEL, é que deixa de ser necessária a aprovação do projeto de instalação, passando a ser suficiente apresentar um termo de responsabilidade assinado pelo responsável pelo projeto, o qual pelo o mesmo assegura o respeito das regras e normas aplicáveis ao tipo de instalações, eliminando-se as taxas que estavam associadas ao processo de aprovação, contudo mantem-se, a obrigação de apresentação de uma ficha eletrotécnica da instalação elétrica quando deva existir projeto.

193898 OXYOPY 747 min

Articulação com o RJUE já em vigor

No que se refere à articulação do projecto de especialidade de energia eléctrica no âmbito do RJUE – Regime Jurídico de Urbanização e Edificação já podemos assumir que entraram em vigor em 2017, nomeadamente em 10/08/2017.

A Inspeção, controlo, supervisão e fiscalização agora a partir de 2018.

Outras alterações são ao nível das inspeções obrigatórias das instalações que não têm de ser acompanhadas por um técnico responsável pela exploração, assim como também deixam de ser anuais e passam a ser feitas de 5 em 5 anos.

Quanto ao controlo e acompanhamento da atividade dos projetistas, instaladores e inspetores competem à Direção-Geral de Geologia e Energia (DGEG) enquanto a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) fica responsável pela supervisão do mercado.

Em matéria de fiscalização, assumem competências a DGEG e a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), sendo de referir que os instaladores, exploradores da instalação elétrica e inspetores que não cumpram a lei ficam sujeitos a coimas de 250 a 1.250 euros, se forem indivíduos, e de 1.000 a 5.000 euros, se forem empresas.

Instalações de gás 

Por fim, no que diz respeito a instalações de gás em edifícios, as novas regras abrangem os projetos, a instalação, a inspeção, o abastecimento e a manutenção, os aparelhos que funcionam a gás canalizado, a supervisão e regulação das atividades relacionadas com as instalações de gás.

Uma primeira alteração é em sede de projeto em que passa a ser suficiente apresentar um termo de responsabilidade assinado pelo responsável pelo projeto, a assegurar que o projecto respeita as regras aplicáveis, deixando de ser necessário pedir a aprovação do projeto de uma instalação de gás. Na inspeção, deixa de ser preciso, em regra, fazer uma inspeção quando se muda a pessoa ou organização em nome de quem está o contrato de fornecimento de gás ou se muda de fornecedor de gás, outro aspecto é o facto de a inspeção obrigatória passar a ser de 3 em 3 anos para estabelecimentos turísticos e de restauração, escolas, hospitais e serviços de saúde e quaisquer outros estabelecimentos com capacidade para mais de 250 pessoas.

A supervisão do mercado, controlo e acompanhamento da atividade dos instaladores de gás, é igualmente da competência da ERSE e da DGEG, sendo que esta última e a ASAE encarregam-se pela fiscalização.

Os projetistas, instaladores e inspetores que infringirem nova regulamentação incorrem em ter de pagar coimas de 250 a 3.500 euros, se forem indivíduos, e de 450 a 40.000 euros, se forem empresas.

Os novos regimes jurídicos entraram ambos em vigor no dia 1 de janeiro de 2018, mas como referimos no início, além de dúvidas existem questões por complementar nestas mudanças, nomeadamente, as regras sobre o registo das instalações, elétricas e a gás, só se aplicam quando ficarem disponíveis ao público as plataformas eletrónicas que serão criadas para acompanhar e registar as atividades relacionadas com as mesmas instalações, o que o legislador prevê que aconteça, o mais tardar, daqui a um ano. Vamos esperar para ver e voltaremos certamente a este assunto.

Pode aceder ao diploma clicando aqui.

Fontes:

Diário da República

AECOPS

APESEI

Revista indústria e Ambiente

SkProjectConsulting 1 B.Min

Contatos

HEAD OFFICE

Avenida da República, n.º 6, 7.º Esquerdo, 1050-191 LISBOA | Portugal

Tel + 351 211 332 968 | Fax +351 213 195 609

Redes Sociais

follow me on facebookgoogle logo  

follow me on twitter linkedin

Parceiros

APQlogo apemeta