Que certificação deve uma empresa agro-alimentar escolher?

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Neste artigo que vimos aqui hoje partilhar abordamos uma questão muitas vezes colocadas aos nossos especialistas em sistemas de gestão de qualidade e nos mais diversos referenciais, nomeadamente que norma, standart ou referencial escolher para um processo de certificação numa empresa, em particular no sector agroalimentar e não só.

Sim, de facto muitas vezes o cliente, seja o empresário, proprietária ou um quadro de uma empresa que decide consulta-nos para um objectivo de certificação, nem sempre está previamente decidido qual o caminho ou objectivo em termos de referencial e norma a selecionar. Mesmo havendo uma ideia em concreto, nem sempre é uma escolha segura ou decisiva devido a algum grau de incerteza na melhor opção.

Independentemente da motivação de certificar a empresa resultar de uma necessidade de marketing, internacionalização, satisfazer mercado ou clientes, ou por mera necessidade de gestão, existe sempre o momento de decidir qual o caminho a tomar, logo a pergunta que norma ou que referencial escolher.

52

Mais recentemente temos sido consultados por diversos sectores de actividade, tanto em Portugal como em outros destinos onde já actuamos ou podemos vir a actuar (v.g. República dos Camarões, Moçambique, Tanzânia, Macau, Angola), mas no sector agro-alimentar tem sido em maior número de ocorrências e onde tem sido mais presente a dúvida em causa.

Numa indústria agro-alimentar deve optar por ISO, BRC, IFS ou FSSC 22000?

Muitas vezes por força de um mercado específico em Portugal e não só, o sector da distribuição e algumas cadeias de restauração impõe certos referenciais, tais como BRC ou IFS, em todo o caso não significa que se oponham a outros referenciais, claro que procuram harmonizar os referenciais com o maior número de fornecedores.

Mas face a experiência dos nossos especialistas partilhamos aqui uma visão sobre a temática, e de facto para o sector agro-alimentar temos orientado alguns casos para a FSSC 22000 - A Food Safety System Certification 22000.

O que é a FSSC 22000

Sim, a FSSC 22000 é uma solução de certificação mais assertiva nos dias de hoje para a indústria alimentar, estamos perante um referencial focado no sistema de gestão da segurança alimentar assente em standarts internacionalmente reconhecidos e validados como a ISO 22000 e ISO 22003.

Com esta opção uma empresa da indústria alimentar pode assim padronizar e monitorizar internacionalmente o processo de auditoria e certificação.

Esta opção de certificação resultou de uma necessidade de dar resposta ao sector alimentar e assim proporcionar um esquema de segurança alimentar independente e apropriado a cada caso e de acordo com a realidade de cada um.

719 compressor

O referencial FSSC 22000 mereceu o reconhecimento e apoio da European Food and Drink Association (CIAA) e pela American Groceries Manufacturing Association (GMA) e reconhecido pela Global Food Safety Initiative (GFSI).

Então depois surge outra questão, quais são as principais diferenças entre a FSSC 22000 e outros esquemas de certificações reconhecidos pelo GFSI como o IFS e BRC por exemplo?

Qualquer dos referenciais enunciados, entre outros são válidos quer em Portugal ou em qualquer região do mundo, em todo o caso e face a questão de fundo que levou-nos a abordar neste artigo é que a FSSC 22000 articula requisitos próprios e adicionais a padrões reconhecidos pela família ISSO, padrões estes que foram desenvolvidos por especialistas de Segurança Alimentar de várias proveniências de todo o mundo, os quais trabalharam em conjunto num comité ISO em articulação com conhecimento obtido de sectores da economia, como retalhistas, produtores e também com pessoas provenientes de diversas autoridades sanitárias.

Particularidade de uma auditoria FSSC

Efectivamente é uma característica particular neste referencial, é a duração da auditoria FSSC que manifestamente é mais longa e aprofundada do que noutros sistemas e normas que podem ser equacionadas.

Neste âmbito não temos uma auditoria anual onde uma lista de requisitos é confirmada, no fundo a auditoria começa com uma certificação inicial que inclui duas etapas.

Na primeira etapa efectua-se uma avaliação sobre o sistema de gestão de segurança alimentar, que vão incluir todos os requisitos, complementando-se com uma revisão do plano HACCP.

Mais tarde, aproximadamente seis semanas deverá ser iniciada a segunda etapa que assenta no objectivo de implementar sistema que inclui uma revisão da implementação dos CCP's, OPRP's e PRP's focados na eficácia dos mesmos.

Segue-se a auditoria de certificação, que sendo bem-sucedida é emitido um certificado com validade de três anos.

36880 image2

Manutenção do sistema

Depois em cada ano existe uma auditoria de acompanhamento e vigilância, onde se proceder a uma avaliação, de modo a aferir se o sistema é de forma sustentada e contínua colocado em prática no dia-a-dia, assim como a sua actualização e eficácia.

A cada três anos é realizada uma revalidação da certificação onde todo o sistema é revisto novamente e mais uma vez avaliada a sua eficácia, em caso de atestada a sua conformidade, a certificação é prolongada.

O Foco na Segurança Alimentar

Apesar de já enunciado, percebe-se que todo o processo está focado no sistema de gestão da segurança alimentar.

Mas também pode observar-se capacidade de integração, em todo o caso estamos perante um esquema de gestão e operação independente.

Uma particularidade que não podemos ignorar é que a criação, desenvolvimento e formato desta norma assenta numa organização internacional sem fins lucrativos, nomeadamente uma fundação designada por Fundação FSSC 22000 registada na Holanda, onde se verifica que a gestão da fundação é pautada por legislação muito restrita que assegura por si só a continuidade da sua independência, orientação não lucrativa e transparência. O que parecem ser aspectos muito relevantes na hora de decidir uma opção estratégica.

O FSSC 22000 estabelece os requisitos para os Organismos de Certificação para desenvolver, implementar e operar um esquema de certificação e garantir sua imparcialidade e competência. O Esquema de certificação estabelece os requisitos para avaliar o sistema de segurança alimentar das organizações de fabricação de alimentos e emitir um certificado.

No certificado vamos observar a indicação que o sistema de gestão da segurança alimentar da organização sujeita ao processo está em conformidade com os requisitos estipulados pela FSSC22000 e que a organização pode manter a conformidade com esses requisitos. Logo o valor agregado a uma organização com um sistema certificado de segurança alimentar reside nos esforços feitos pela organização para manter esse sistema e seu compromisso de melhorar continuamente seu desempenho, portanto o foco é em si mesmo o SGSA – Sistema de Gestão da Segurança Alimentar independentemente de tudo o resto assente na eficácia do mesmo.

Por fim, salientar que todo o esquema de certificação vai assentar em três componentes, a saber:

ISO 22000

Pré-requisitos específicos de cada sector de actividade

Requisitos específicos da FSSC 22000.

Além desses três componentes, há um módulo de qualidade inspirado em todos os requisitos da ISO 9001.

img ref1972 01

A aproximação ao sector da Distribuição

Actualmente a FSSC 22000 está focada no sector produtivo, ingredientes, embalagens e produção de alimento para animais, embora seja conhecido o desenvolvimento de esforços para aplicar o sistema a outras áreas nomeadamente à cadeia de distribuição de forma a cobrir toda a cadeia de distribuição com os mesmos requisitos.

A nossa conclusão

Agora salvo melhor opinião ou questões contratuais que possam pré-existir a uma decisão, uma empresa do sector alimentar, seja no comércio por grosso, retalho ou principalmente indústria agro-alimentar se procurar demonstrar perante todos os seus stakeholders a eficácia do seu sistema de gestão de segurança alimentar, queimando etapas que numa ISO, BRC, IFS não seria exequível, então julgamos que a decisão mais assertada passa por equacionar a FSSC 22000.

Se ainda assim precisar de mais esclarecimentos, não hesite e sem compromisso em enviar questões para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou preencher formulário web aqui.

Fonte: FSSC 22000

Contatos

HEAD OFFICE

Avenida da República, n.º 6, 7.º Esquerdo, 1050-191 LISBOA | Portugal

Tel + 351 211 332 968 | Fax +351 213 195 609

Redes Sociais

follow me on facebookgoogle logo  

follow me on twitter linkedin

Parceiros

APQlogo apemeta