O Primeiro Congresso Internacional de Nutrição e Segurança Alimentar (CINSA)

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

O CINSA decorreu nos dias 21 e 22 de outubro de 2016 no conselho de Tábua, localizada entre terrenos de serra (Estrela, Lousã, Buçaco e Caramulo). Foi organizado pela fundação Sarah Beirão e António Costa Carvalho com a colaboração da Universidade de Coimbra e Universidade de Las Palmas de Gran Canárias.

Saudamos a iniciativa, com dupla satisfação, primeiro porque já tardava em Portugal haver um momento e um evento destas características, e em segundo lugar o facto de decorrer em Outubro, mês onde se comemora o Dia Mundial da Alimentação (16 de Outubro) e a Nutrição e Segurança Alimentar. Na Statusknowledge damos muita importância a este tipo de iniciativas, em particular o nosso Departamento de Consultadoria em Segurança Alimentar que esteve presente a assistir os trabalhos e a totalidade do programa, sendo que o mesmo foi abrangente e não se tratou somente de HACCP.

O congresso contou com a participação de vários especialistas Nacionais e Internacionais nas mais variadas áreas, tais como Saúde Publica, Doenças Crónicas não transmissíveis, Nutrição comunitária, Dieta mediterrânea, politicas alimentares, Tecnologia e industria Alimentar, Implementação de sistemas de segurança alimentar, alimentos processados, Análise sensorial e Suplementos alimentares.

IMG 20161021 084727O objetivo do congresso passou pela análise de diversas temáticas emergentes em nutrição e segurança alimentar com especial incidência na Gastronomia Regional e Tradicional.

Foi apresentada uma exposição de cartazes com os trabalhos realizados por grupos de trabalho das várias especialidades referidas anteriormente. Estes cartazes e respetivas apresentações foram alvo de avaliação por um júri de 3 elementos da comissão científica. Na cessão de encerramento foram atribuídos prémios de 1º e 2º classificados para as melhores apresentações e para os melhores cartazes.

Ao longo do congresso foi abordada a importância da Dieta Mediterrânea para a saúde dos consumidores. A apresentação de estudos de uma dieta mediterrânea equilibrada aplicada aos consumidores, traduz-se na diminuição de problemas coronários. A moderação e o exercício físico são aspetos fundamentais a ter em conta.

A dieta mediterrânea não traduz só um padrão alimentar mas também um estilo de vida em que se dá valor à reunião de pessoas em volta de uma mesa. A influência da paisagem dos locais que promovem a dieta mediterrânea apresentam também bastantes semelhanças ente si o que traduz também o lado cultural que a dieta mediterrânea origina.

 A educação e transmissão destas informações à população é algo que já está no terreno e que tem como alvo principal as crianças e que segue o caminho de alargamento a uma população mais abrangente.

O controlo da segurança alimentar é algo que não é descorado, havendo a nível nacional autoridades competentes que promovem a fiscalização da qualidade dos géneros alimentícios a nível nacional e europeu.

CINSA 2016

Foi demonstrado através de estudos elaborados por investigadores, de novos produtos que visam contribuir para a obtenção de produtos alimentares que tenham um impacto menos negativo na saúde dos consumidores. Foi exemplificado um estudo realizado com indivíduos com um grau de alergia muito elevado a pelo menos dois alergénios: os peixes, bivalves e crustáceos. Estes indivíduos voluntários sujeitaram-se ao consumo de uma espécie de anémona, comum da costa portuguesa, a fim de verificar a sua reação. O resultado final foi positivo, pois não houve qualquer tipo de reação dos indivíduos que se sujeitaram ao teste.

Tendências para o futuro

1 – O cuidado na substituição de Aditivos Sintético por Aditivos Naturais é uma preocupação de futuro e que enfrenta ainda muitas barreiras que têm de ser ultrapassadas, nomeadamente a análise de testes de segurança alimentar e consequente aprovação por parte das entidades competentes.

Os aditivos alimentares sendo precedidos pela letra E, transmitem uma conotação negativa aos consumidores, pois associam-nos a algo que não é bom para a saúde. Sendo assim seria interessante criar uma codificação nova para os aditivos alimentares naturais, pois hoje em dia aos aditivos sintéticos e naturais têm o mesmo tipo de codificação.

2 – Estudar cientificamente os benefícios e as ligações corretas, dos frutos e verduras, a serem seguidas nas elaborações das bebidas Detox. Os benefícios que estas bebidas trazem podem ser inúteis se processadas de forma errada, por isso a importância de estudos aprofundados no que concerne as estas novas bebidas que estão muito em voga na população nova.

3 – Um desafio que se apresenta num futuro próximo será a sustentabilidade da população humana, pois a mesma está em crescente e o esgotamento dos recursos alimentares será uma realidade. Como tal há que encontrar formas de ultrapassar esta provável escassez de alimento; e uma das formas, pode passar pelo consumo de insetos. O repto passará por vários pontos, nomeadamente designar quais os insetos que poderão ser consumidos de forma a garantir a segurança alimentar e outro ponto será pela forma em conseguir promover a aceitação do consumo de insetos por parte da população.

Palco

5 – A obesidade e os problemas cardiovasculares é algo que flagela grande parte da população, havendo a preocupação por parte das indústrias em criar novos alimentos que tenha em conta a redução de gorduras saturadas em prol das gorduras insaturadas; redução do colesterol, entre outras.

Também a divulgação de boas práticas de consumos alimentares e exercício físico às populações, principalmente às crianças é uma realidade dos dias de hoje, mas que necessita de maior divulgação. Será este o principal desafio.

Aqui chegados, gostámos da visita que fizemos a esta bonita região de Portugal, apreciámos a iniciativa, acreditamos que esta iniciativa merece ser replicada no futuro, certamente melhorando alguns aspectos qualitativos, entre outros, mas para primeira edição alcançou as expectativas.

Foi muito bom abordar de uma forma profuda um tema abrangente como Segurança Alimentar e Nutrição e não restringir ao HACCP por exemplo.

Haja saúde e muitas realizações para que 2017 seja o ano do 2.º CINSA.

Parabéns à organização!

Mais informações sobre CINSA vejam em http://cinsa.pt/. Sobre o que fazemos em Segurança Alimentar podem consultar AQUI.

 

Contatos

HEAD OFFICE

Avenida da República, n.º 6, 7.º Esquerdo, 1050-191 LISBOA | Portugal

Tel + 351 211 332 968 | Fax +351 213 195 609

Redes Sociais

follow me on facebookgoogle logo  

follow me on twitter linkedin

Parceiros

APQlogo apemeta